Clepsydra (Suíça)

Fears - 62.55

Independente

Aluisio Maggini (Vocais), Marco Cerulli (Guitarras e Sax), Philip Hubert (Teclados), Andy Thommen (Baixo), Pietro Duca (Bateria)

O novo disco da banda era esperado pelos fãs pois alguns não haviam ficado satisfeitos com o resultado do disco anterior More Grains of Sand. Aviso a vocês: este disco é o melhor da banda. O trabalho de guitarras está de altíssimo nível, bem como os teclados. Percebi uma melhora considerável nos vocais. Talvez este disco não seja muito recomendável para os ouvintes que acham que o rock progressivo morreu na década de 80. Agora se você não tem precoceitos e gosta de uma boa música, vá em frente! Não perca o solo de teclado da segunda música, e muito, mas muito mais!
Emerald Tiers (EUA)

Whisper The First Scene - 33:55

Independente

Jason Wilson (Voz, Teclados e Baixo), Julian Kong-Silvert (Voz ), Brett Hayes (Bateria), Rob Bowen (Guitarra), Dave Coleman (Guitarra)

Quando recebei este disco (projeto do tecladista, baixista e vocalista Jason Wilson) para fazer o trabalho, fiquei interessado... Pensei: "Um disco de progressivo com uma capa bastante peculiar!" Coloquei a primeira faixa e me assustei um pouco com  batida reta (culpa do programming). Depois de duas audições, percebi que a banda tem um futuro promissor. Os vocais devem ser melhor trabalhados, mas a proposta é clara. Lembra um pouco o The Cure em fase inicial de carreira... sem copiá-lo.  Destaque para os backing vocals femininos e para as baladas Don't Shatter Me e All My Kingdom.   Será esta a tendência do progressivo para o próximo milênio, contrariando a alta do prog-metal? Ou as bandas melódicas terão vez? Na minha opinião, todos tem espaço! Visite o site ,que é bem construído.
Discipline (EUA)

Unfolded Like a Staicase - 64:51

Strung Out Records

Jon Preston (Guitarra e Violão), Paul Dzendzel (Bateria), Matthew Parmenter (Voz, Teclados, Violino, Sax Alto, Carrilhão), Mathew Kennedy (Baixo)

Destaque no ano passado em diversos shows realizados pelos EUA, inclusive o Prog Day 97 (se não me engano), a própria banda produziu este disco em 1997. Excelente disco: faixas longas, quebra de ritmo e melodias em alguns trechos. As influências são diversas: Peter Gabriel, Genesis, King Crinsom, Van Der Graaf Generator. Canto IV mostra a força deste disco, que ficou entre os 10 melhores de 1997, de acordo com as pesquisas divulgadas em nosso canal de notícias. Sem dúvida, uma excelente aquisição.
Tiles (EUA)

Fence The Clear - 57:39

Standing Pavement Rrecordings

Mark Evans (Bateria), Chris Herin (Bandolim, Violão, Teclados), Paul Rarick (Voz), Jeff Whittle (Baixo) 

Banda americana altamente influenciada pelo Rush. Boas faixas pesadas e um trabalho de arte que completa o disco. Destaque para as faixas Checkerboards (14:43) e a balada extraordinária Changing The Guard. O primeiro disco infelizmente não poder ser avaliado. Esperamos que no próximo trabalho a banda possa estar um pouco mais à vontade, explorando mais ainda os instrumentos acústicos, que são o destaque deste disco. Mixado por Terry Brown (responsável por toda a fase hard do Rush). Planos para o lançamento do disco no Japão e distribuição na Europa pela SPV. Vamos aguardar pela evolução da banda. Se você gosta de hard-prog, divirta-se. Obrigado pelo vasto material enviado.
Velvet  Hammer (EUA)

Storybook - 71:00

Glass Umbrella Records

Dana Davis (Guitarra e Voz), Ginger Doss (Teclados e Voz), Lynda Millard (Baixo, Flauta e Voz), Joel Duhon (Bateria)

Composta na maioria por mulheres (competentes músicas por sinal), este disco é "um apanhado dos últimos cinco anos de nossas vidas" (A banda). Várias faixas de fitas demos (que não tem uma qualidade de CD, mas muita emoção) compõe este disco, que tem uma faixa em memória de Stevie Ray Vaughan) e faixas gravadas no quarto de uma das componentes! Uma boa fusão de pop, hard e progressivo, bem ao estilo americano (a banda é da cidade de Austin, Texas (EUA). Return of Jeris e Teacher são inesquecíveis (flauta e piano que me fez cair o queixo...). Um belo poster, que em tempos anteriores já estaria na parede do meu quarto... Vale como registro.
The Field (EUA)

Same - 43:00

Independente

Mark Emerson (Bateria), Paul Lamb (Baixo, Violão, Guitarra, Voz, Pedais Moog Taurus e Metais), Tony Rainier (Guitarra), Steven Sofranko (Hammond, Mellotron, Minimoog e JV-80)

Amigos, por que esta banda americana ainda não assinou com uma grande gravadora? Progressivo atual e moderno. Temos faixas na maioria pesadas, mas os teclados são muito bem colocados. O disco é dividido em duas partes, sendo uma um pouco mais pesada que a outra. Boa influência do prog da década de 70. Parabéns a todos os componentes da banda, que tem tudo para ser o destaque de 1998, pois se encontram em estúdio.
Galadriel (Espanha)

Mindscapers - 61:05

Musea

Jesus Filardi (Voz, Teclados, FX), Jose Bautista (Guitarra Warr, Teclados), Naucho serrano (Violão e Guitarra), Alex Roman (Teclados e Piano), Renato Di Prinzio (Bateria)

Terceiro disco da banda espanhola, que reaparece depois de uma boa ausência. Um trabalho moderno e bem estruturado, podendo-se dizer que este é o melhor trabalho da banda. Neste disco, os músicos puderam realmente mostrar o seu trabalho, longe das influências do Genesis, que perseguiram os dois primeiros discos. Destaque para a faixa-título (Mindscapers - 16:01), com narrações e teclados, que aparecem muito bem em todo o disco (vide faixa On The Verge of A New World) e Run For Cover, com belo instrumental. Uma das melhores bandas do selo francês Musea. Confiram a entrevista em nossa página, onde Jesus Filardi revela a passagem de músicos brasileiros pela banda há alguns anos atrás. Aguardamos a prensagem nacional pelo selo Rock Symphony

 CLASSICOS 

Casino - Same - 1992 (SI Music), Relançado pela Verglas Music em 1997

Ná época de sua formação, tínhamos o início da volta do rock progressivo na mídia. Mas com certeza este não foi o motivo de reunião destes músicos: Geoff Mann (Voz), membro da lendária banda 12th Night; Mike Stobbie (Teclados), Pallas; Clive Nollan (Teclados), Pendragon, Arena, Strangers On A Train...; Sylvain Gouvernaire (Guitarra), ex-Arraken e atual Iris - que conta com Pete Trewavas e Ian Mosley - ex-trace e atualmente ambos no  Marillion; Jon Jeary (Baixo), Threshold; Brian Devoil (Bateria), 12th Night e Paul Flynn (Bateria). Produzido por Clive Nolan e Karl Groom (Strangers On a Train). O disco é conceitual: baseia-se na história de um homem (no disco chamado às vezes de Thief e/ou Stranger) que chega a um cassino e perde-se pelas mesas e na bebida, entre outros vícios. Intoxicado, ele tenta blefar,  mas perde e fala que o cassino é insolvente... e acaba sendo morto. A polícia emite uma nota dizendo que a situação está normalizada. A mensagem da última música é emocionante (seu espíritofala com uma outra pessoa), sendo um desfecho sensacional, onde guitarras e detalhes apenas percebidos com fones dão um toque altamente progressivo ao disco. É aquele CD que você põe e escuta desde o início até o fim. Este disco é imperdível e chegou a ser lançado no Japão em 1994. Seu relançamento coroa o trabalho destes músicos, que infelizmente não puderam fazer rmuitos shows pois o vocalista morreu prematuramente de câncer linfático em 1993. Um clássico do Rock Progressivo sem a menor sombra de dúvida.