Tésis Ársis - Ilusões - Independente - 2002

O rock progressivo brasileiro é assim: a cada ano que passa, aparecem poucas bandas/artistas, mas um deles costumas ser lá dos anos 70. Ë o caso do Tésis Ársis.

Com muito esforço (como de costume no artista independente), o grupo TÉSIS ÁRSIS, dentro da liberdade do Rock Progressivo, numa atmosfera do Progressivo Sinfônico, gravou 5 belas suítes: 1 – Ilusões (12’58”), criada  em visita às belas paisagens da Região dos Lagos do Estado do Rio de Janeiro, a faixa já começa bastante pulsante com teclados pesados, batidas marcantes e solos de guitarra, tomando depois um clima mais tranqüilo; 2 – Cemitério dos Vivos (15’58”), baseada na pesada vida das grandes cidades, inicia com teclados e acompanhamento mais pesado, passando por momentos de suspense e melódicos solos de guitarra, culminado em belos timbres de teclado; 3 – Global (11’11”), inspirada na vida agitada do nosso planeta como um todo, começa com uma rápida introdução do básico rock’n’roll e logo entra na atmosfera do Progressivo com belas passagens de guitarra e teclados, retomando depois batidas com bastante velocidade e terminando de forma tranqüila, quase new age, como preparativo para a próxima faixa; 4 – Num Tempo Só (6’03”), faixa criada na época do triste 11/09/2001 nos Estados Unidos, música mais serena do CD num clima new age, 5 – Hale Bopp (19’17”), inspirada em nosso espaço sideral, última faixa que sintetiza todo o trabalho, com diversos elementos do Progressivo: mudança de andamento, passagens extremamente melódicas, diversos efeitos, sinos tubulares, solos de guitarra e teclados inspirados.

 Home - Resenhas